#Testemunho: Entrar no seminário que se fala “né”?

Olá, meu nome é Lucas Antonio, sou da paróquia Nossa Sra. Do Rosário de Belém. Iniciei minha vida Seminarística no Ano passado (2017) como seminarista menor no Seminário São José. Quando entrei no Seminário Menor São José eu era apaixonado pela vida comunitária, das partilhas e orações com a Comunidade, uma característica do Seminário Menor, onde aprendemos e melhoramos nossa Dimensão Humano Afetiva em relação ao nosso irmão, família e oxalá uma comunidade no futuro como sacerdotes nas paróquias na Arquidiocese de Curitiba. 

É difícil imaginar que em algumas (Arqui) Dioceses do Brasil ou até mesmo no mundo insistem em fechar os Seminários Menores. Na minha visão os Seminários Menores são a base e o alicerce de uma vocação prematura na qual vai sendo moldada e lapidada construindo um Padre que no futuro saberá conduzir seu rebanho, buscando aquela ovelha que está perdida como nos mostra o Evangelho LC 15,1-7. Não desmereço aqueles que optaram por não passar ou não tiveram a oportunidade de passar pelo Seminário Menor, mas eu creio que é uma oportunidade incrível ainda mais em nosso Seminário na Arquidiocese de Curitiba que tem mais de um século de história formando inúmeros Padres e homens para igreja e para o mundo.

Mas falando um pouco do Seminário Menor, quando eu entrei me surpreendi pois o pensamento que temos em relação aos seminaristas é de que são anjos ou até mesmos diferentes, mas é ai que nos enganamos, pois o seminarista é jovem e vive uma vida normal não totalmente mundana mais um Jovem Cristão, esse jovem cristão não é aquela pessoa que só reza o terço e vive suas devoções particulares mas é aquele que sendo jovem busca a outros jovens através do que o mundo nos proporciona de bom, tendo como princípio e objetivo a Deus. levando consigo suas experiências como seminarista e adolescente que tem uma profunda busca por Deus.

No Seminário Menor somos “Protegidos”, ou seja, quem administra nossos deveres e compromissos são os Formadores, estabelecendo horários e deveres no seminário e  incentivando-nos a todo momento que devemos estudar e nos dedicar ao nosso irmão tendo um espirito de partilha dentro da comunidade seminarística, sabendo e aprendendo a todo momento ajudar aquele irmão que passa por uma dificuldade seja ela espiritual ou até mesmo familiar assim como os formadores desempenham essa função de paternidade sendo responsáveis por nós a todos os momentos seja no Colégio ou em atividades dentro e principalmente fora do seminário.

Muitas pessoas acham que vivemos trancados no seminário, muito pelo contrário, saímos muitas vezes em comunidade, somos convidados para missas vocacionais e eventos para dar o nosso testemunho e a nossa experiência adquirida dentro do seminário para colocarmos em prática beneficiando nossos irmãos e igreja que reza e contribui com as vocações.

No Seminário Menor São José o seminarista tem por dever se dedicar e priorizar o estudo no Colégio Arquidiocesano por isso é o Seminário mais rigoroso da Arquidiocese se tratando de horários e tempo de estudos, por exemplo, para priorizarmos os estudos os formadores recolhiam os celulares que muitas vezes prejudica o jovem que tem dificuldade ou até mesmo imaturidade.

Eu tive a oportunidade de ingressar no 3º Ano do E.M permanecendo apenas 1 ano, mas um ano cheio de experiências e aprendizagens que levarei para minha vida toda.

A rotina de um seminarista do Terceirão é intensa, tendo muitas coisas com que se preocupar, por exemplo, Temos Encontros vocacionais, Arrecadação de dinheiro para viajem de fim de ano como a tradição do seminário, Aulas de preparação para o vestibular e diversos simulados, provas e trabalhos, mas no final de muita luta se conquista a vitória.

No dia 18/02/2018, eu e mais 3 Seminaristas: Denis, Francisco e José ingressamos no Seminário Propedêutico São João Maria Vianney juntamente com outros 3 seminaristas: Felipe, Jeferson e Markos, iniciando uma nova e bela etapa do processo formativo aonde somos preparados para o Curso de Filosofia no próximo ano (2019).

Ao iniciarmos as atividades neste Seminário percebemos muitas diferenças, como por exemplo, no momento que ingressamos no propedêutico se tornamos responsáveis sabendo viver e proceder com autonomia nas atividades, orações, estudos e atitudes. Sentimos uma liberdade nesta casa desde o dia em que entramos aprendendo a tratar a liberdade com responsabilidade e maturidade para discernir o certo e o errado para que a liberdade não nos prejudique e enfraqueça nossa vocação.

E para finalizar concluo agradecendo aos Formadores do Seminário Menor São José por terem me acolhido e me ensinado muitas coisas ao longo do ano de 2017 e ao Pe. Osmair reitor do Seminário Propedêutico que nos confiou essa linda e bela missão. O Propedêutico é apenas o pós-inicio de um processo formativo grande, por isso eu e meus irmãos do propedêutico contamos com vossas orações.

 

Posted in Testemunho and tagged , , .